Dani Giffoni nasceu em 6 de março de 1972 e começou a sua trajetória corporal aos 3 anos de idade. Apaixonada pela dança desde pequenina, foi através do Ballet Clássico que desenvolveu sua consciência sobre o corpo. Já no colégio, mesmo sem abandonar a dança, foi convidada a fazer parte da equipe de Ginástica Rítmica Desportiva, pela qual conquistou vários títulos estaduais. E assim seguiu... Passando pelo Jazz, dança moderna, contemporânea e salão. Começou a dar aulas de dança aos 15 anos e não parou mais.

Compreendendo o corpo como a nossa “casa” neste mundo, um templo que devemos respeitar e descobrir a todo instante... Dani concluiu a Faculdade de Educação Física em 1994 pela Universidade Federal de Santa Maria, onde estagiou na área de Desenvolvimento Humano, concluindo nesse período também a formação em Massoterapia.

De sua cidade natal, Santa Maria, rumou ao litoral de Santa Catarina, unindo o desejo de estar pertinho do mar e da natureza e trabalhar com a dança e alongamento. Após dois anos voltou a Santa Maria atendendo a um convite de trabalho. Sentindo a necessidade de estudar mais, sempre em busca de um conhecimento mais profundo sobre o movimento humano, foi fazer Pós-Graduação em Dança Cênica na Universidade do Estado de Santa Catarina, em Florianópolis, onde travou contato com diversas técnicas corporais, como: Contact Improvisacion, Euritimia, Técnica de Alexander, Feldenkrais, Ideocinese, Rolfing, Pilates...

Mas... e o Yoga?

O Yoga sempre esteve lá, presente na sua maneira de agir e de ser. Mesmo sem saber já vivia o Yoga, ele já fazia parte do seu mundo. O estudo do corpo surgiu da necessidade de saber mais do ser humano, da alma humana, da mente humana... Mas como tudo tem o seu momento, o encontro, ou reencontro com a prática do Yoga, só aconteceu em 2001, através da meditação e de um livro do Professor Hermógenes. Isso tudo aconteceu logo após ter experimentado a benção de ser mãe. A conexão foi imediata e desde então vem se dedicando exclusivamente ao estudo, a prática e a divulgação do Yoga através do ensino desta nobre filosofia de vida. Em 2004 surgiu a oportunidade de abrir a sua própria escola de Yoga, algo que tomou como uma missão. Foi então que fundou o Studio Yoga Shanti em Junho de 2004, o qual administra e coordena as atividades.

Em 2004 concluiu a Formação em Ashtanga Vinyasa Yoga com os professores Cathia Karin Heuser e Mauricio Wolff e o curso de Thai Yoga Massagem com a Profª. Jamile Ansolin. Em 2005 concluiu o Curso de Formação para Professores em Vinyasa Yoga com a Prof. Jamile Ansolin e viveu uma experiência transformadora durante o Curso de Yoga e Vedanta com a Swami Rajeshwarananda, discípula direta de Swami Vishnu Devananda (1927-1993), e foi através da Swami que recebeu seu nome espiritual, Devi, na sua iniciação em Mantra.

Neste tempo todo, vêm aprofundando seus conhecimentos nas técnicas do Yoga, através da sua prática diária e sempre se atualizando, participando e promovendo Encontros, Workshops, Palestras, Cursos e tudo o que possa lhe acrescentar nesta caminhada. Vem praticando com professores experientes e renomados, mas que acima de tudo fundamentam o seu trabalho na verdade, como Gustavo Ponce, Clayton Horton, Pedro Kupfer, Adinath, Subagh Kaur Khalsa... E estudando com dedicação o Vedanta, os Yoga Sutras e as escrituras sagradas de um modo geral.

Toda a sua experiência artística e corporal na dança, enquanto bailarina e coreógrafa, e espiritual na filosofia Hindu, tudo o que lhe foi proporcionado viver, sentir... ficam evidentes na sua prática de Yoga, na condução dos cursos que ministra e nas suas aulas, que prezam pela respiração consciente, pelo alinhamento corporal e pela mente, sempre alerta e atenta em cada ação. O Yoga e a arte se fundem no seu trabalho, o que vem lhe proporcionando o prazer em unir arte e filosofia prática através de convites para trabalhar com atores e bailarinos na preparação corporal e construção de personagens. Dani se considera uma eterna aprendiz nos caminhos espirituais e na vida, deixando-se guiar sempre pelo seu grande mestre, o Coração.

 

“ Nem tudo o que escrevo resulta numa realização,
resulta mais numa tentativa.
O que é também um prazer.
Pois nem tudo eu quero pegar
As vezes quero apenas tocar
Depois, o que toco, ás vezes floresce
e os outros podem pegar com as duas mãos.”

Clarice Lispector